A batalha do século passado

Capa de Super-Homem contra o Homem-Aranha - CLIQUE PARA AMPLIARTodo final de ano a Editora Brasil-América (Ebal) costumava colocar nas bancas seus almanaques anuais com os principais personagens da editora, como Zorro (The Lone Ranger), Tarzan, Batman, Super-Homem, Homem Aranha. Mas no final de 1976, início de 77, as bancas reservaram uma grande surpresa para os leitores de quadrinhos; algo impensável até então: o Almanaque dos Heróis trazia o encontro entre os dois principais personagens das duas maiores editoras de quadrinhos (comics) dos Estados Unidos, a Marvel e a National Periodical, que também era chamada de DC.

Foi uma revolução. Algo que os fãs talvez sonhassem, mas que era improvável acontecer. Como juntar as duas editoras arqui-rivais em um projeto? Impossível! Bom… era impossível até que o grande desenhista Carmine Infantino assumiu a direção da DC Comics. A partir dai, “a realização editorial do ano” – como este lançamento foi definido no texto de apresentação da revista – começou a sair do papel.
Página 56 - Homem-Aranha acerta o Super-Homem - CLIQUE PARA AMPLIARStan Lee e Carmine Infantino - Clique para ampliar
O editorial, publicado na segunda capa, explicava: “Esta é uma das mais espetaculares produções dos quadrinhos de todos os tempos. E tudo levava a crer que não pudesse ser feita. (…) O único e grande obstáculo residia na natural rivalidade das editoras – Marvel e National – que produzem as aventuras dos O Super dá um soquinho no cabeça de teia - CLIQUE AQUI PARA AMPLIARdois mais populares super-heróis. Mas seus chefões, Carmine Infantino, tutor do Homem de Aço, e Stan Lee, pai do Homem Aranha, amigos de longa data, facilitaram tudo.” Os dois “deram uma verdadeira lição de co-existência”. Mais adiante o texto cita uma frase de Stan Lee que resume o trabalho: “Nada é difícil demais quando a gente quer mesmo realizar”.

A publicação foi um trabalho em conjunto, uma soma de esforços dos profissionais das duas editoras. O desenho foi feito por Ross Andru, na época desenhista do Homem-Aranha e a arte-final foi de Dick Giordano, que finalizava as aventuras do Batman. Aliás, em se tratando de desenho, sempre achei a fase do Andru uma das piores do cabeça de teia. A história foi escrita por Gerry Conway. Carmine Infantino fez a criação da capa, preparando o rafe para que Ross Andru e Giordano finalizassem o trabalho.Super-Homem e Homem-Aranha - CLIQUE PARA AMPLIAR

Essa publicação realmente representou “uma nova abertura editorial”. A partir do sucesso dessa experiência, os “crossovers” passaram a ser cada vez mais freqüentes e personagens de outras editoras também passaram a viver experiências semelhantes. Tudo isso porque dois executivos deram o primeiro passo para uma nova era de aventuras.

No Brasil a revista foi publicada numa edição colorida no formato 26,7 x 34,7 cm, com capa plastificada e 100 páginas. Em janeiro de 1999, a revista americana Wizard publicou um desenho de Alex Ross, que recria com todos os detalhes, esta capa clássica (veja aqui o papel de parede que fiz A capa original - CLIQUE PARA AMPLIAR com esse desenho). Segundo o artista, A Batalha do Século – Super-Homem Contra o Homem-Aranha foi “uma experiência da cultura pop inspiradora para minha juventude”. É… foi uma idéia e tanto.

Para fazer o download de mais wallpapers com a arte de Alex Ross, clique aqui. Todas as imagens que ilustram este texto podem ser baixadas numa boa resolução.

Anúncios