Disney: 90 anos animados

Cinquentenário Disney
Em novembro de 1973, quando Walt Disney fez 50 anos de carreira, a Editora Abril publicou o livro Cinquentenário Disney, que apresentou as primeiras aventuras em quadrinhos de todos os principais personagens Disney, entre eles Horácio e Clarabela, Pluto, João Bafo-de-Onça, Pateta e, claro, Mickey, Minie e Pato Donald. O livrão tinha capa dura, formato grande (21×28 cm) e 188 páginas coloridas. O próprio Disney é o mestre de cerimônias do livro. Ele participa interligando as histórias e contracena com vários personagens, como mostra o quadrinho abaixo.
Walt Disney, Mickey e Minie
O texto de introdução do livro resume o início da jornada profissional de Disney com o seguinte relato: “Cinquenta anos atrás, mais precisamente em agosto de 1923, dois jovens, Walt e Roy Disney, começavam suas atividades no campo do desenho animado, em uma pequena garagem, na Califórnia (EUA). Passarem-se cinco anos sem que o talento criador dos dois irmãos fosse reconhecido, até que em 29 de outubro de 1928 estreou com grande sucesso o primeiro desenho animado sonoro nas telas dos Estados Unidos! Título do filme: Steamboat Willie. Seu criador: Walt Disney. Em Steamboat Willie, o personagem principal era um simpático ratinho chamado Mickey que, mais tarde, seria a marca registrada de Walt Disney em todo o mundo. Das telas para a história em quadrinhos foi um passo. Assim, em 1930 Mickey passou para as tiras diárias dos jornais da época. Logo depois, para acompanhar o irrequieto Mickey em suas aventuras, Disney criou a Minie, o Horácio, a Clarabela, o Pluto, o João Bafo-de-Onça, o Pato Donald, o Macha Negra, enfim, todos os personagens que, vindos das telas dos cinemas, como Mickey, ou criados especialmente para as histórias em quadrinhos, são hoje bem conhecidos de todos nós.”
Mickey: Lost on a Desert Island
Há uma pequena incorreção no texto de introdução, já que a namorada do Mickey não foi criada “depois”. Na realidade, Minie já aparece em Plane Crazy, o verdadeiro primeiro desenho animado estrelado por Mickey, realizado no início de 1928. Acontece que essa animação era muda e acabou não sendo lançada comercialmente nesse ano. Mas, com o sucesso de Steamboat Willie, Disney resolveu sonorizar Plane Crazy e relançá-lo em março de 1929.
Mickey: Lost on a Desert Island
A primeira história em quadrinhos do Mickey estreou em tiras de jornais dos Estados Unidos em janeiro de 1930 e se chamou Lost on a Desert Island. Ela foi adaptada para o formato de revista e publicada em cores nesse livro comemorativo com o título de Mickey Contra os Canibais, mas com alguns cortes. As três últimas imagens do Mickey que ilustram este texto foram extraídas dessa história.
Mickey: Lost on a Desert Island
Em 2013, Disney completa 90 anos de carreira. Isso mereceria uma outra edição de luxo em homenagem à sua carreira. 40 anos depois da comemoração de seu cinquentenário, ele não mereceria ser lembrado? Mas os tempos são outros…

Walt Disney nasceu em 5 de dezembro de 1901, em Chicago.

Anúncios

Batman: Bigger and Better

Capa de Nela Adams
O número 241 da revista Batman, da DC Comics, lançada nos Estados Unidos em maio de 1972 (ou seja, há quase 41 anos!) foi uma edição especial com 52 páginas. Normalmente essas revistas em quadrinhos tinham, por padrão, apenas 36 páginas e o preço era de 20 cents. Mas essa foi uma época em que a DC aumentou o número de páginas de algumas de suas mais populares revistas em quase um terço, subindo o preço de capa a um percentual bem menor. A garotada pagava apenas um quarto de dólar, ou seja, 25 cents, para ter ainda mais aventuras com seus heróis preferidos. Essa campanha foi chamada de “Bigger and Better” e visava, claro, aumentar as vendas das revistas. A capa desta edição é uma das mais icônicas já publicadas com o Homem-Morcego. Ela foi desenhada por Neal Adams, que estava envolvido na revitalização do personagem.

Baixe aqui wallpapers feitos a partir de imagens desta revista!
At Dawn Dies Mary MacGuffin!
A revista publicou três histórias. A primeira se chama At Dawn Dies Mary MacGuffin! e foi roteirizada por Denny O’Neil e desenhada pela dupla Irv Novick e Dick Giordano, que procuravam manter o estilo que Neal Adams imprimiu ao Cruzado de Capa (como se pode ver nas três páginas da história reproduzidas nesta postagem).

Página 6
A segunda história é uma aventura solo de Robin, “The Teen Wonder” escrita por Mike Friedrich e desenhada por Rich Buckler. A aventura, que continua na edição seguinte, foi chamada de Secret of the Psychic Siren e teve a participação especial de Kid Flash, seu companheiro de lutas na Turma Titã.
Robin, The Teen Wonder
Para completar a edição, uma aventura clássica de Batman and Robin, publicada no número 5 da revista, em 1941. Come Down Memory Lane foi escrita por Bill Finger e desenhada pelo criador do personagem: Bob Kane. Na 9ª página da história, um suspense: Batman encontra Robin mortalmente ferido e, ao ver o Cruzado de Capa carregando o corpo inerte do garoto, o leitor tem a sensação de que é o fim do Menino-Prodígio. Mas que nada. Nos três últimos quadrinhos Robin aparece sorridente deitado na cama de um hospital vestindo o seu uniforme (isso mesmo: deitado com uniforme, com máscara e tudo!!!) ao lado de Batman, que também está acamado recuperando-se de um ferimento. E o Homem-Morcego não perde a pose! Está com o seu uniforme!!! É sério! Essas histórias eram muito bobas mesmo!  :)
Batmovel
Batman e Robin
Leia mais sobre Batman, neste link.

Pafúncio, um velhinho centenário

pafuncio-marocas03nt
No dia 12 de janeiro de 1913 – portanto, há exatos 100 anos –, era publicada pela primeira vez em diversos jornais norte-americanos a série Bringing Up Father, criada pelo cartunista George McManus. A historieta, distribuída pela  King Features Syndicate, mostrava as aventuras de Jiggs, um simplório imigrante irlandês que ganha uma pequena fortuna apostando em corridas de cavalo e logo tem que tentar mudar hábitos e estilo de vida para se adaptar à alta-sociedade.
Recuperação de imagem: Francisco UchaPublicada na revista Pafúncio, da RGE.
Um boa-vida, Jiggs é casado com Maggie, uma mulher que adora cantar e azucrinar a vida boêmia do marido. Bringing Up Father se tornou um grande sucesso nos Estados Unidos, e logo suas histórias foram adaptadas para o teatro, cinema, desenhos animados e para o rádio. Foi umas das tiras e páginas dominicais de maior longevidade, sendo publicada durante 87 anos, encerrando sua carreira em maio de 2000. Zeke Zekley, assistente de McManus a partir de 1935, colaborou intensamente com roteiros e desenhos até 1954, quando George McManus morreu. A partir daí, a tira ganhou novos desenhistas, escolhidos pela King Features Syndicate.
marocascantant
No Brasil, os personagens de McManus também se tornaram muito populares e foram batizados como Pafúncio e Marocas. No início dos anos 60, a Rio Gráfica e Editora, de Roberto Marinho, lançou a revista Pafúncio, com periodicidade bimestral.
pafuncio03nt
pafuncio-marocasnt

Destaque

O Flash Gordon de Buster Crabe


Buster Crabe e Jean Rogers (acima) são os astros do seriado de ficção-científica Flash Gordon, lançado em 1936. Dividido em 13 partes, esta foi a primeira produção cinematográfica a retratar o personagem de quadrinhos criado por Alex Raymond e publicado pela primeira vez em em janeiro de 1934. Crabe encarna o herói interplanetário, enquanto Rogers dá vida à sua namorada, Dale Arden. Nesta aventura, Flash Gordon chega ao Planeta Mongo, que é dominado pelo maligno Imperador Ming, interpretado por Charles B. Middleton (abaixo). Priscilla Lawson , como a Princess Aura, e Frank Shannon, como o Dr. Alexis Zarkov, são outros atores do elenco.

Surge o Super-Homem

Action Comics 1

Após passarem anos tentando vender seu personagem sem sucesso, Joe Shuster e Jerry Siegel conseguem publicar na revista Action Comics, que estava sendo lançada em 1938 pela editora que mais tarde se tornaria a DC Comics.
Superman em Action Comics
Clark Kent
Começa aí a carreira meteórica do Super-Homem, único sobrevivente do planeta Krypton que é enviado à Terra, onde adquire superpoderes. A publicação é um sucesso de vendas, atiça a concorrência e isso acarreta uma tonelada de imitações e mais super-heróis fantasiados, muitos lançados pela própria DC. Super-Homem logo vira uma primorosa série de animação dos Estúdios Max Fleischer, tira diária de jornais e seriados cinematográficos, novela de rádio e o que mais se puder pensar. Isso também estabelece o gênero comic-book, que prolifera no período da II Guerra Mundial e sobrevive até hoje.
Superman
superman-1945

.

Nunca houve uma Mulher-Gato como Julie…


Uma linda mulher… sensualíssima, adoravelmente divertida e maliciosa. Nunca houve uma gata como Julie Newmar!

A paixão segundo Joe Kubert

kubert
Joe Kubert era um gigante. Talvez não seja tão simples defini-lo em uma palavra. Mais complicado será falar sobre ele sem exagerar nos adjetivos. Kubert é um nome fundamental na História das histórias em quadrinhos. Ele se transformou em uma lenda há muito tempo, não só por ter criado um traço personalíssimo e dinâmico, perfeito para dar vida a personagens selvagens e aventureiros como Tarzan, Sargento Rock, Gavião Negro, Tor (abaixo), Ás Inimigo e tantos outros. Mas seu talento também norteou o trabalho de grandes artistas, que deram seus primeiros passos na bem sucedida escola criada por ele e sua esposa, Muriel, em 1976. Na verdade, Kubert sempre foi um apaixonado pelo seu trabalho, tanto como desenhista, quanto como editor, escritor e professor, inspirando inúmeros autores por todo mundo.Tor05fev77-kubert-ebalnt

Filho de pais judeus, Yosaif (ou Joseph) Kubert nasceu em 18 de setembro de 1926 numa pequena cidade chamada Yzeran, que ficava na Polônia e hoje faz parte da Ucrânia. Sua família emigra para os Estados Unidos quando tinha pouco mais de dois meses de vida e passa a viver no Brooklin.

Durante sua infância, ele descobre sua paixão pela arte de desenhar e, com o apoio dos pais, torna-se um talento precoce. Há controvérsias quanto à época em que começou a trabalhar como desenhista iniciante. Na introdução de sua graphic-novel Yossel, Kubert escreveu que ele recebeu cinco dólares por página quando tinha 12 anos. “Em 1938, isso era muito dinheiro”, afirmou.

A partir daí, não parou mais. Fã de Hal Foster, Alex Raymond e Milton Caniff, o jovem trabalhou para diversos estúdios e com os mais diferentes personagens e gêneros, desde ficção-científica até faroestes e histórias de guerra. Em meados da década de 1940 ele passa a desenhar mais regularmente para a All-American Comics, editora que se tornaria, no futuro, a DC Comics; em 1945 Kubert começa a ilustrar um dos personagens que marcariam a sua carreira: Gavião-Negro (Hawkman).

SargentoRock02atirantNo início da década de 1950, Kubert inicia sua carreira de executivo ao aceitar o cargo de editor da St. John Publications. Ao lado do colega de escola Norman Maurer e do irmão deste, Leonard, ele desenvolve para a editora, em 1953, a primeira revista de quadrinhos em 3D do mundo, apresentando as aventuras de SuperMouse (Mighty Mouse), adaptação do famoso desenho animado infantil da época. O sucesso foi instantâneo. No mesmo ano ele lança as aventuras de Tor, personagem que vive numa época pré-histórica, e também ganha uma versão em 3D, aproveitando o sucesso dessa tecnologia.

Ao contrário do que era comum naquela época, os direitos autorais de Tor continuam nas mãos de Kubert e as aventuras desse herói são publicadas com relativo sucesso em diversas editoras ao longo da carreira do desenhista.

Em 1955 ele volta a desenhar para a DC Comics, inicialmente como free-lancer, mas logo estaria trabalhando exclusivamente para a editora. Neste ano ele intensifica uma frutífera parceria com o também lendário escritor e editor Robert Kanigher, que já conhecia desde os tempos da All-American Comics e com o qual desenvolveu diversas histórias de guerra e personagens de sucesso, como o Príncipe Viking, lançado em agosto de 1955. Mas foi em janeiro de 1959 que a dupla apresentou uma de suas mais importantes criações: o Sargento Rock (ao lado), publicado pela primeira vez na revista G.I. Combat. Chamado inicialmente de “The Rock”, o soldado que lutava contra os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial ganhou mais definição nas histórias seguintes e caiu no gosto dos leitores, transformando-se numa das séries mais duradouras dos comics americanos.
SargentoRock02-p03ntb
asinimigo01nt

Apesar de criar histórias de guerra, a dupla Kanigher-Kubert jamais glorificou os conflitos e sempre mostrou o lado humano de cada personagem retratado. Seguindo esta linha, a dupla novamente inova em 1965 ao apresentar para o público Ás Inimigo (Enemy Ace), um piloto da aviação que lutou durante a Primeira Guerra Mundial. Ele não era inglês ou americano. Era alemão. E isso fez toda a diferença. Kubert sempre gostou de ilustrar os roteiros de Kanigher, carregados de detalhes históricos e que exigiam muita pesquisa de época. Certa vez ele escreveu que seus roteiros tinham a capacidade de provocar sua imaginação: “Suas palavras tinham o poder de criar excitantes imagens dramáticas e dinâmicas em minha mente!”. Não foi por acaso que Ás Inimigo é considerado uma das melhores histórias de guerra já produzidas para os quadrinhos.
cabelosdefogo-thawk16-fev73ntAcima, Cabelos de Fogo, de Joe Kubert.
Publicado em fevereiro de 1973 na revista
Tomahawk n°16, da Ebal. Nesse mesmo
ano foi lançado também pela Ebal,
o álbum A Origem de Tarzan, que
mostra a morte de Kala (abaixo).
A origem de Tarzan - A morte de Kala
A partir de 1967 Kubert passou a ser Diretor de publicações da DC Comics. Cinco anos depois aceitou o desafio de readaptar os livros de Tarzan, de Edgar Rice Burroughs, para os quadrinhos (leia O traço selvagem de Joe Kubert). E assim ele criou mais uma obra-prima da arte seqüencial e o personagem de Burroughs retoma o status adquirido em seus primórdios, quando era desenhado por Hal Foster e Burne Hogarth.
A fúria de Tarzan
tarzan-kubert-devntDepois de deixar o cargo de Diretor na DC em 1976, a paixão de Kubert por sua arte e seu interesse em formar uma nova geração de artistas fazem com que ele e sua esposa fundem a The Joe Kubert School of Cartoon and Graphic Art, hoje conhecida internacionalmente como The Kubert School. Vários grandes artistas de sua geração foram professores de sua escola. E ela formou inúmeros novos talentos, como dois dos cinco filhos de Kubert, Adam e Andy, considerados nomes de grande expressão na indústria dos comics americanos. Os anos seguintes seriam de dedicação quase total aos seus alunos, mas sem deixar de desenhar quadrinhos.

Na década de 1990 Kubert voltaria a produzir histórias mais autorais. Em 1991 lançou Abraham Stone: Country Mouse City Rat para a Malibu Comics. Em 1994, ele recebeu a visita do célebre editor italiano Sergio Bonelli em sua residência. Este o havia convidado a ilustrar uma história especial do popular cowboy italiano Tex, mas Kubert teve que adiar a realização desse projeto para se dedicar exclusivamente à produção daquela que se tornaria sua nova obra-prima, a premiada graphic novel Fax from Sarajevo. Inédito no Brasil, este livro foi baseado numa série de faxes que seu representante na Europa, Ervin Rustemagiæ, enviou para ele relatando com detalhes a tragédia da guerra na Sérvia durante o massacre de civis em Sarajevo. Esta obra foi, finalmente, publicada em 1996. E a história de Tex (abaixo) foi lançada na Itália cinco anos depois, em 2001, com enorme repercussão.

Dois anos depois, Kubert voltaria às suas origens imaginando o que aconteceria se sua família não tivesse emigrado para os Estados Unidos e continuasse vivendo na Polônia. Esse foi o ponto de partida para a novela gráfica Yossel, lançada em 2003.

Neste ano ele também retornaria ao personagem que consagrou, com a minissérie Sgt. Rock: Between Hell and a Hard Place, escrita por Brian Azzarello, e três anos depois, com outra aventura estrelada pelo soldado: The Prophecy (ao lado). Em 2008, um novo retorno. Agora ao seu primeiro personagem na minissérie Tor: A Prehistoric Odyssey, publicada pela DC Comics. São desse período também as histórias autorais Jew Gangster e Dong Xoai, sobre a guerra do Vietnã.

Seu último trabalho publicado foi Before Watchmen: Nite Owl para a DC, onde ele arte-finalizou o desenho a lápis executado por seu filho Andy Kubert. Bem do jeito que ele fazia no início de carreira. Em outubro, estava previsto pela DC o lançamento de sua última incursão como quadrinista: a minissérie Joe Kubert Presents, com novas histórias gráficas, incluindo o retorno do desenhista ao seu Gavião Negro (Hawkman, abaixo).

Joe Kubert faleceu no dia 12 de agosto em decorrência de um tipo de câncer, um mieloma múltiplo, poucas semanas antes de completar 86 anos.

(Texto publicado originalmente no Jornal da ABI 381)

JoeKubertPresentshankman

O Fantasma de Gutemberg


A capa desta edição da revista Almanaque do Fantasma, publicada pela Rio Gráfica e Editora no início dos anos 70, foi desenhada por Gutemberg Monteiro, grande mestre dos quadrinhos que trabalhou nessa editora durante 20 anos e depois fez carreira nos Estados Unidos, onde trabalhou por mais 40 anos.

Naquele tempo a RGE mantinha um estúdio especializado na produção de histórias em quadrinhos com uma equipe de desenhistas e roteiristas do mais alto nível. Faziam parte dessa turma, nomes como Walmir Amaral, Evaldo, Lutz, Flávio Colin, José Menezes, Primaggio, entre muitos outros talentos, além de, é claro, Gutemberg. Era uma turma muito unida. Tanto que, quando Gutemberg esteve no Brasil de férias no início da década de 90, depois de passar muitos anos nos Estados Unidos, deu ao José Menezes a arte original dessa capa do Fantasma. Na dedicatória Gutemberg o chama de “irmão, amigo e colega”. Não é qualquer um que tem um original desses em seus guardados. Menezes tem. E se orgulha muito dessa amizade de anos!

Abaixo, a arte da capa com a dedicatória de Gutemberg ao amigo Menezes. Clique na imagem para ampliá-la.

Quadrinhos’51: uma exposição grandiosa


Você gosta de ver originais de histórias em quadrinhos? Então não perca a Exposição Quadrinhos’51, que foi criada para homenagear os grandes mestres das Histórias em Quadrinhos nacionais das décadas de 40 a 70 e também para lembrar aquela que é considerada a primeira exposição didática internacional de Histórias em Quadrinhos do mundo, organizada em São Paulo em 1951 por Álvaro de Moya, Jayme Cortez, Syllas Roberg, Reinaldo de Oliveira e Miguel Penteado.

Quadrinhos’51 ficará aberta ao público até o dia 26 de maio no Museu Belas Artes de São Paulo (MuBA), onde estarão expostos desenhos originais de alguns dos mais importantes artistas desse período, além de esboços e de publicações raras editadas nessas décadas.

No alto, desenho de uma página de quadrinhos de Eugênio Colonnese para a revista Mirza, A Mulher-Vampiro. Ao lado, Raimundo, o Cangaceiro, de José Lanzellotti.

O público terá uma chance raríssima de ver de perto a técnica e o talento de desenhistas que produziram obras inesquecíveis numa época em que as histórias em quadrinhos eram perseguidas violentamente por setores da sociedade que insistiam em desqualificar essa arte com argumentos preconceituosos. Mas, a despeito de toda a intolerância, os quadrinhos se impuseram como uma nova linguagem através da força dessa geração de profissionais.

Os originais estão marcados pelo tempo e alguns têm colagens e instruções para impressão, e dão a exata dimensão de como eram produzidos os quadrinhos naquele tempo, além de mostrar a técnica de cada desenhista.

Dentre os trabalhos selecionados, o público dessa mostra poderá apreciar artes-finais de Jayme Cortez, Gutemberg Monteiro, Álvaro de Moya, Antonino Homobono Balieiro (acima), Primaggio, Rodolfo Zalla, Shimamoto, André Le Blanc, Eugênio Colonnese, José Lanzelotti, Izomar, Rubens Cordeiro entre outros gênios do traço. A Exposição Quadrinhos’51 também mostrará originais de desenhistas estrangeiros como E.T. Coelho, Will Eisner, Jerry Robinson, Jim Davis, Mort Walker, Leonard Starr, Serpieri.

Publicações raras de inestimável valor histórico também são exibidas graças ao zêlo de nosso amigo, o colecionador Adriano Rainho, que cedeu gentilmente exemplares de O Pato Donald, n°1; Pererê, n°1, do Ziraldo (acima); Raio Vermelho n° 10 (de 1951), Capitão Radar, Zas Traz número 1 (a revista editada por Jayme Cortez que publicou as primeiras histórias em quadrinhos do Mauricio de Sousa) e muitos outras raridades. Do acervo de Álvaro de Moya o visitante verá também preciosidades como a revista Mad n° 11, de 1954; El Corazón Delator, adaptação de Breccia em formato gigante da obra de Edgar Alan Poe impressa em serigrafia e revistas número 1 da Turma da Mônica editadas na Europa. Há também Raimundo, o Cangaceiro, números 1 e 2, de José Lanzellotti, cedidas por sua filha Jussara; além dois exemplares de O Tico-Tico e O Globo Juvenil, de 1949.

Entre as obras expostas, o visitante irá encontras este desenho para a capa da revista Casper (Gasparzinho), que Gutemberg Monteiro fez nos Estados Unidos, onde trabalhou durante 40 anos. O MuBA fica na Rua Dr. Álvaro Alvim, 76, em Vila Mariana, perto do Metrô. Para saber como chegar, CLIQUE AQUI. Visite também o site Quadrinhos’51, e conheça a programação de debates que acontecem todos os sábados a partir das 14 horas.

Jaguar, um senhor desenhista


Em 1959, o mestre Jaguar passou a fazer parte da brilhante equipe, capitaneada por Nahum Sirotsky, que criou a SR. (Senhor), uma das melhores e mais importantes revistas já editadas no Brasil. Só para se ter uma idéia da dimensão dessa publicação, basta uma rápida olhada no expediente e nas assinaturas dos textos e ilustrações para encontrar nomes como os de Paulo Francis, Carlos Scliar, Newton Carlos, Glauco Rodrigues, Caio Mourão, Rubem Braga, Antonio Callado, Fernando Sabino, Clarice Lispector, Jorge Amado, Flávio Damm, Luiz Lobo, Marcel Gautherot e tantos outros.

A capa reproduzida no alto foi criada por Jaguar para a edição de dezembro de 1959. Era o décimo número da revista, que trazia reportagens como Julião da Galiléia (quem é o homem das “ligas camponesas”), escrita por Callado, e Vinte dias de Paris, de Fernando Sabino; além de um especial sobre O nu na arte, o conto A Galinha, de Clarice Lispector, e O Maravilhoso O, de James Thurber, adaptado por ninguém menos que Ziraldo.

Jaguar tinha 27 anos quando publicou estas ilustrações e charges. Os dois desenhos de cima são da edição de outubro (número 8). O belo desenho do cavalo foi publicado assim mesmo, sobre o texto do artigo de Teófilo de Vasconcelos: Um cavalo não é um cavalo, não é um cavalo. A charge de baixo foi publicada em dezembro. A revista SR. era, também, um deleite para os olhos!

Clique nas imagens para ampliá-las em boa resolução.

O Rocky Lane de Primaggio


O desenhista Primaggio Mantovi é muito conhecido por sua principal criação, o palhaço Sacarrolha. Mas o primeiro personagem que ele desenhou foi um cowboy de filme B americano do qual era um grande fã quando criança: Rocky Lane. Sobre essa experiência, ele me falou ao telefone: “Foi muito bom. As histórias em quadrinhos de Rocky Lane tinham parado nos Estados Unidos mas, como vendia bem, decidiram continuar a publicar no Brasil. De repente eu estava desenhando meu cowboy preferido e ainda era pago por isso! Cheguei a criar e desenhar uma história contando a origem dele, coisa inédita nos Estados Unidos!”.

Acima vemos um desenho colorido que Primaggio fez e nunca foi publicado. É uma pintura de seu acervo que o próprio desenhista nos enviou para que pudéssemos compartilhar com nossos leitores. Abaixo, vemos um desenho do cowboy Rocky Lane extraído da primeira página da história A Seita dos Vingadores, que Primaggio também nos enviou. Para ver essa página completa, exatamente como ela foi publicada, CLIQUE NESTE LINK.

Primaggio entrou na Rio Gráfica em 1964 e no ano seguinte passou a desenhar Rocky Lane todo o mês. Depois desenhou também o Recruta Zero (Beetle Bailey) e, mais tarde, na Editora Abril fez histórias dos personagens Disney e de outros personagens infantis, como Pantera Cor-de-Rosa e Moranguinho. (Clique nas imagens para ampliá-las)

Mais fotos do espetacular Homem-Aranha


Os leitores podem baixar mais três fotos do novo filme do Homem-Aranha, que tem data de estréia prevista para o início de julho. A de cima é muito parecida com a foto publicada AQUI. Nas duas de baixo aparecem os atores Andrew Garfield (Peter Parker) e Emma Stone (Gwen Stacy). Ela está em cartaz nos cinemas com o filme Histórias Cruzadas e já atuou em 2009 no divertido Zumbilândia ao lado do ator Jesse Eisenberg. Este, por sua vez, interpretou, em 2010, Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, no filme A Rede Social, ao lado de… Andrew Garfield (que interpretou o sócio brasileiro de Zuckerberg). Em Hollywood, mais uma vez, o círculo se fecha.
 
Não sou de ficar lendo sinopses dos filmes antes de estrear. Gosto de assisti-los e ter o prazer de ser surpreendido (para o bem ou para o mal). Neste filme dirigido por Marc Webb saberemos um pouco da infância de Peter Parker e finalmente veremos sua namorada, Gwendolyn Stacy, e seu pai George, que teve forte presença na história do Aranha. Porém, a foto acima causa uma certa preocupação aos fãs antigos do personagem, pois a moça está vestindo preto (e não é um pretinho básico) e segurando um guarda-chuva. Ou seja: está chovendo e ela está de luto. No cinema, sempre que algum personagem legal morre e aparece uma cena no cemitério, esta é com chuva ou num dia muito nublado! É um clichê tipico! E nós sabemos que… a certa altura das aventuras do Aranha, o pai de Gwen morre durante uma violenta luta entre o herói e o Dr. Octopus! Mas o Homem-Aranha acaba recebendo a culpa pela morte dele. Pois bem… Octopus não aparece neste filme. O vilão é (finalmente) o Lagarto (The Lizard)!

Será que novamente não teremos uma boa adaptação do cabeça de teia para os cinemas?

Para entender a importância de Gwendolyn e George Stacy na vida de Peter Parker, leia este verbete bem completo publicado na Wikipédia.

Fotos de Jaimie Trueblood. © 2011 Columbia Pictures Industries, Inc.  All Rights Reserved.

Fotos de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge


Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
(The Dark Knight Rises) deve fechar a trilogia capitaneada por Christopher Nolan, pois ele já declarou que não quer mais continuar com a franquia. A Mulher-Gato (clique para ver uma foto dela) e Bane serão os antagonistas do Batman nesta produção, mas um arqui-inimigo do Cavaleiro das Trevas estará de volta: o demoníaco Ra’s Al Ghul terá uma participação no filme. Cá entre nós, juntar esses três vilões na mesma história é um grande risco que o diretor corre. Ele e seu irmão Jonathan, que fizeram o roteiro deste filme, estão no limite entre finalizar a trilogia de maneira espetacular ou então colocar por água abaixo o belo resultado conseguido até agora. Vamos esperar até o fim de julho para conferir o resultado em sua estréia nos cinemas do Brasil.

Na foto de cima, clicada por Ron Phillips, Christian Bale encarna o Batman, que parece estar com a barba por fazer. Embaixo, o demolidor Bane em foto clicada por Wally Pfister, mais um cruel inimigo do Homem-Morgego.

Todas as fotos podem ser ampliadas em ótima resolução.

© 2012 Warner Bros. Entertainment Inc. and Legendary Pictures Funding, LLC