Somente para os seus olhos

CLIQUE PARA AMPLIAR ESTA FOTO EM ÓTIMA RESOLUÇÃO
Depois do belíssimo Paris, Te amo (Paris, je t’aime), em 2006; Hitman, em 2007; os lindos olhos de Olga Kurylenko poderão ser vistos nos cinemas do Brasil em dois filmes que estréiam muito em breve: no segundo filme do novo James Bond e em Max Payne. A carreira cinematográfica da supermodelo e atriz ucraniana, que faz 29 aninhos no próximo dia 14 de novembro, está apenas começando mas em apenas quatro anos ela conseguiu uma excelente visibilidade internacional, saindo das telas do cinema francês para o mundo de Hollywood. E isso não é pouco. Somente para conseguir o papel da bond-girl no novo 007 ela deixou para trás cerca de 400 candidatas ao posto, incluíndo algumas atrizes brasileiras. Nesse filme ela interpreta Camille, uma agente boliviana numa busca obsessiva por vingança. Mas, se você espera que Bond, James Bond, vá para cama com ela, pode tirar o cavalinho da chuva: os tempos são outros e James não é mais o mesmo (e não é mesmo!). Porém, esta bond-girl é de tirar o fôlego.

Quer saber mais sobre Ольга Куриленко? Visite o site oficial da moça ou então sua página em Supermodels e na Wikipedia (em inglês).

Para ler as diversas postagens sobre James Bond, 007 . Para ler mais sobre Max Payne, .

Qual a melhor?

James Bond e JinxCom a estréia do novo filme do James Bond, andam aparecendo pela internet várias listas de Melhores e Piores. Duas interessantes podem ser conferidas nos sites da NBC e da revista Entertainment Weekly: eles estão preocupados em descobrir qual a melhor Bond girl. O que você acha destas listas? Qual a melhor Bond girl afinal? Será que conseguiremos viver sem essa resposta?
Para baixar papéis de parede de James Bond, clique na imagem ao lado.

Esqueça James Bond

Nem tudo é o que pareceAssisti nesta quinta, numa cabine para jornalistas, ao novo filme de James Bond – 007 Cassino Royale – e, conforme já esperava, Daniel Craig é tudo o que se pode esperar de um ator que nunca deveria interpretar o agente secreto. Ele faz uma cena de amor da mesma forma em que duela, nas cartas, com seu inimigo. Falta ao ator o charme que nos acostumamos a ver no personagem (além disso, ele passa o tempo todo fazendo beicinho, tenha dó!). Mas, exceto pelo beicinho, tudo parece ser proposital. E, ao contrário do que se poderia supor, o filme é excelente! Porém, ao entrar no cinema, esqueça o bom e velho James Bond e assista a um ótimo filme de ação.

Cassino Royale é o primeiro livro de Ian Fleming sobre o agente secreto. E esta adaptação para o cinema marca uma ruptura com tudo o que nos acostumanos a ver numa aventura do mais carismático dos agentes. Mudaram a abertura; a música-tema do personagem não toca durante o filme, ficando sempre numa sutil insinuação até chegar ao fim esclarecedor; não há fantásticos gadgets e até as mulheres não são comparáveis às estontentes Ursula Andress e Halle Berry (só para citar dois exemplos).

Os produtores Michael G. Wilson e Barbara Broccoli resolveram começar de novo, aproveitando o gancho do livro. Aqui, Bond é um agente recém-promovido e há muitas dúvidas sobre sua capacidade de ser bem sucedido devido à sua arrogância e inexperiência. 007 Cassino Royale nos mostra também um personagem falível e nos dá novas facetas psicológicas do agente. Tudo isso conspira para poupar Daniel Craig das críticas, já que muitos o estão achando o melhor James Bond depois de Sean Connery. Tudo bem, vá ao cinema e tire sua conclusão. Para mim ele continua sendo impensável para o papel.

Outra coisa que não dá para aceitar, é a permanência de Judi Dench como “M”. Já que era para mudar tanto, ela deveria ter sido trocada também. Mas, ao que parece, o destino de 007 Cassino Royale já estava traçado, afinal Clive Owen foi um dos atores cogitados para interpretar Bond, o que não seria uma boa opção (mas Daniel é desesperadamente pior, sem dúvida).

Sebastien Foucan é Mollaka - CLIQUE PARA AMPLIARPorém, temos que concordar que as quase três horas de filme são garantia de diversão sem carros invisíveis e avalanches espetaculares (dois grandes pecados do último filme de Pierce Brosnam na pele do agente em 007 – Um Novo Dia Para Morrer). Ao invés de espetaculares perseguições com carros, com esquis na neve, tanques ou lanchas, a primeira grande cena de ação é de tirar o fôlego e é justamente uma perseguição… a pé! E haja parkour! Antológica!

Ah, e se você está pensando que a foto que abre este texto (lá em cima) é uma cena do filme, está enganado. Graic está também com essa cara de não-Bond no filme Nem Tudo é o que Parece (Layer Cake), onde faz o papel de XXXX (é isso mesmo: XXXX), um sujeito que fez fortuna negociando cocaína e ecstasy. Belo antecedente!

Faça download de papéis de parede de James Bond 007, clicando aqui.