7 motivos incríveis para você ter no seu acervo o livro O Judoka, por FHAF

A obra genial de Floriano Hermeto foi restaurada num livro de luxo repleto de extras

No próximo ano será comemorado meio século de criação de um dos mais bem-sucedidos personagens dos quadrinhos brasileiros: O Judoka. Lançado pela saudosa Editora Brasil-América, carinhosamente chamada de Ebal, ele estreou em outubro de 1969, no número 7 da revista de mesmo nome, que era ocupada por Judô-Master, um personagem obscuro da editora americana Charlton Comics.

O Judoka #14O Judoka, que foi lançado com o slogan “um herói brasileiro”, conseguiu alguns feitos muito relevantes para um personagem nacional, entre eles, o de ser publicado mensalmente e sem interrupções, até julho de 1973, chegando perto de completar quatro anos de aventuras desenhadas por diversos quadrinistas.

Mas, O Judoka não fez sucesso apenas entre seus leitores. Graças a um desenhista e roteirista em especial, o personagem começou a fazer sucesso também entre a crítica especializada. Foi quando Floriano Hermeto de Almeida Filho, que assinava como FHAF, publicou sua primeira aventura com o herói brasileiro.

A partir da edição de número 14, O Judoka alcançou um patamar jamais imaginado pela Ebal e chamou a atenção de estudiosos renomados dos quadrinhos como Álvaro de Moya e Moacy Cirne. O primeiro levou os desenhos de Floriano para uma exposição internacional de quadrinhos no badalado Congresso de Lucca, na Itália.

Já Cirne elegeu a primeira aventura escrita e desenhada por FHAF – A Caçada – como a Melhor História do Ano num artigo da prestigiada Revista de Cultura Vozes, deixando para trás nomes como Mauricio de Sousa e Esteban Maroto.

O fato é que Floriano Hermeto deu maior consistência aos roteiros do Judoka e fez uma brilhante releitura da estrutura visual de seus quadrinhos. Com o seu traço arrojado e inovador que lembra o estilo moderno de desenhistas internacionais como Jim Steranko, Guido Crepax e Enric Sió, Floriano imprimiu ao personagem agilidade cinematográfica e enquadramentos inusitados dignos dos grandes mestres do desenho.

Porém, a arte de Floriano estava perdida desde os anos 70, pois as revistas do Judoka são muito raras e ele nunca mais desenhou outras histórias em quadrinhos além das cinco que fez para a Ebal. A boa notícia é que sua obra completa foi reeditada no livro O Judoka, por FHAF, que foi lançado a partir de uma campanha bem sucedida no site de financiamento público Catarse (https://www.catarse.me/judokaporfhaf)

Visite também a página de O Judoka, por FHAF no Facebook.

Mas, por que foi tão importante resgatar a obra de Floriano Hermeto no Judoka? São, pelo menos, sete motivos que devem ajudá-lo a decidir pela compra do livro no site Colecionador Vende Tudo:

1 – É o melhor desenhista e roteirista do Judoka! Sem desmerecer o trabalho dos outros ótimos desenhistas que passaram pelo personagem, FHAF realizou um trabalho inigualável na época;

2 – FHAF insere o personagem em tramas internacionais, com vilões que poderiam estar em filmes de 007, e dá ao personagem uma arqui-inimiga à altura: Irma la Douce;

3 – “A Caçada“, primeira aventura de O Judoka, por FHAF, ganhou relevância como a melhor história publicada em 1970, e os enquadramentos criados pelo desenhista nessa aventura são citados até hoje em livros acadêmicos sobre quadrinhos;

4 – Resgatar a obra de FHAF é manter a memória do quadrinho brasileiro. Não podemos deixar para trás a arte de nossos grandes mestres do desenho;

5 – O livro O Judoka, por FHAF tem 192 páginas com extras históricos, incluindo 14 páginas inéditas desenhadas por FHAF com três histórias inacabadas: uma do Judoka, outra do Zorro (The Lone Ranger) e mais outra com uma aventura no cangaço;

6 – Todas os desenhos que Floriano fez para O Judoka estão perdidos! Para este livro, sua arte foi minuciosamente recuperada através de um delicado trabalho de restauração, que ele mesmo está supervisionando, a partir das 145 páginas impressas com sua obra magistral;

7 – É uma tiragem pequena com acabamento luxuoso. Poucas pessoas terão o privilégio de ter essa obra em sua estante e você pode ser uma delas!

Quem participou da campanha do livro no Catarse, pôde escolher entre diversas recompensas disponíveis e garantiu o seu exemplar antes de todos. Agora, os últimos exemplares desta obra histórica só pode ser comprado em pouquíssimos lugares. Veja a relação:
Colecionador Vende Tudo
Comix Book Shop
Martins Fontes Paulista
Amazon

 

FHAF na Travessa


Confirmado: na próxima quarta-feira, dia 9 de fevereiro, o cultuado desenhista Floriano Hermeto de Almeida estará na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon, autografando o Jornal da ABI – A Cronologia dos Quadrinhos 2  que será lançado a partir das 19h30min e conversando com os fãs e desenhistas presentes.

Floriano de Almeida ficou conhecido na década de 1970 quando passou a criar histórias para a revista O Judoka, da Ebal, assinando seus trabalhos como FHAF. Ele produziu apenas cinco aventuras com o herói brasileiro criado na Ebal, mas o nome de Floriano ganhou para sempre um lugar na história dos quadrinhos brasileiros e seu trabalho se tornou menção obrigatória de estudiosos de quadrinhos como Moacy Cirne e Álvaro de Moya, pelo tratamento gráfico que ele dispensava às histórias que criava.

A seqüência da queda e do close no olho que Floriano criou em A Caçada, a primeira aventura de O Judoka que desenhou, é uma das mais publicadas em livros de estudos de quadrinhos (como BUM! A Explosão Criativa dos Quadrinhos, de Moacy Cirne. Editora Vozes)

Mas porque ele nunca mais fez nenhum outro trabalho?

Nessa edição do Jornal da ABI totalmente dedicada aos quadrinhos há uma entrevista com Floriano, onde ele conta porque ele decidiu desenhar para a Ebal, qual foi a história que ele menos gostou, quais os desenhistas que o inspiravam e também responde a essa pergunta.

Na década de 1970 era engenheiro do Metrô do Rio. Como se sabe, para um profissional sobreviver apenas de quadrinhos no Brasil era (e ainda é) muito sacrificante. Ele passava horas e horas desenhando em seu tempo de descanso e lazer. Assim, depois que a revista do personagem foi cancelada, Floriano nunca mais voltou a desenhar quadrinhos. Com apenas cinco trabalhos ele mudou a cara de um personagem. Imagine se no Brasil houvesse um mercado de quadrinhos forte. Floriano de Almeida certamente poderia viver dessa arte! E nos teria dado obras belíssimas.

Para ler o Jornal da ABI – A Cronologia dos Quadrinhos 2, CLIQUE AQUI.
Abaixo, uma página da história Irma La Douce, escrita e desenhada por FHAF.

O Judoka do Floriano Hermeto

O Judoka #14, por FHAF | CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR ESTA IMAGEM EM ÓTIMA RESOLUÇÃOO número 13 da revista O Judoka, da Ebal, lançada em abril de 1970 (ou seja, há 40 anos!), trouxe uma novidade alvissareira nas Notícias em Quadrinhos, seção que era publicada tradicionalmente na segunda página das revistas em quadrinhos da simpática editora. A notícia publicada com destaque era a chegada de um novo desenhista já na edição seguinte! Ele passaria a integrar o elenco de colaboradores que desenvolviam as aventuras do herói brasileiro. Esse desenhista era o Floriano Hermeto de Almeida Filho, que assinava simplesmente como FHAF. Com um traço marcante, cujo estilo lembrava o de grandes mestres como Guido Crepax e Jim Steranko, e histórias que ele fazia questão desenvolver, bem diferentes de tudo o que havia sido publicado até então, O Judoka ganhava novos rumos sempre que Floriano assumia o personagem. Como se pode ver nas imagens que ilustram este texto (e que podem ser ampliadas em alta resolução), FHAF deu uma grande guinada no personagem.
O Judoka #14 - Página 29 | CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR ESTA IMAGEM EM ÓTIMA RESOLUÇÃO
Os quadrinhos acima, extraídos da página 29 da história de estréia de Floriano, A Caçada, publicada em O Judoka nº14, de maio de 1970, é uma das mais reproduzidas em diversos livros que tratam de quadrinhos, como alguns escritos por Moacy Cirne. Esta foi a notícia publicada e conta como Floriano chegou à Ebal com seus desenhos:

O número 7 da revista O Judoka apresentou a primeira aventura do Judoka brasileiro, desenhada pelo Eduardo Baron, do nosso quadro de desenhistas. O número seguinte foi desenhado pelo Mário José de Lima, nosso antigo colaborador. E assim foi. Baron desenhou ainda o número 9; do nº 10 até o nº13, os desenhos foram do Mário. Talvez os leitores fiquem intrigados com o fato de o Eduardo não ter desenhado nenhuma história a partir do número 10, mas acontece que ele entrou de férias e estava desenhando um novo álbum para a Ebal, Aprenda as Horas. Por isso, suspendeu os trabalhos da aventura do Judoka intitulada O Robô Assassino. Ela, porém, sairá logo depois da aventura Judoka #24 - Página de abertura | CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR ESTA IMAGEM EM ÓTIMA RESOLUÇÃOdesenhada pelo Floriano. Mas, que Floriano é esse? Ah, vocês não sabiam? Bem, vamos contar toda a história, desde o início.

Desde garotinho, Floriano Hermeto de Almeida Filho gostava muito de ler histórias-em-quadrinhos. E foi um dia, já adulto, que resolveu desenhar uma HQ. Como achou boa a idéia de um herói brasileiro, decidiu ilustrar uma história do Judoka. Ele, porém, é engenheiro civil, e todo o seu dia está ocupado – de modo que ele só podia desenhar de noite. Concluída a história veio à Ebal pedindo para falar com nosso Diretor-Geral. E, como sempre é feito, os desenhistas são atendidos e seus trabalhos, examinados. E assim foi. Examinamos os desenhos, e achamos que estavam ótimos; pensamos até que ele fosse profissional. Mas o Floriano falou que era a primeira vez. A história será publicada no número 14 de O Judoka. Ele prometeu trazer mais histórias do Judoka, integrando assim o nosso quadro de desenhistas. Seu estilo é muito influenciado pelo de Guido Crepax, como poderão ver. Damos, aqui, uma amostra de como será a primeira da história.
História O Enigma, de FHAF - Página 20 | CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR ESTA IMAGEM EM ÓTIMA RESOLUÇÃO
Para baixar papéis de parede do Judoka, CLIQUE AQUI.
Todas as imagens publicadas nesta postagem podem ser ampliadas em alta resolução.