O poster do Incrível Hulk e os filmes da Marvel

Poster de O Incrivel Hulk - CLIQUE PARA AMPLIARAproveitando que estou publicando o poster do filme O Incrível Hulk ao lado (repare que o nosso Hulk é mais verde que o Hulk de qualquer outro poster encontrado na internet…), dou uma atualizada sobre os próximos filmes da Marvel. Como todos já sabem, no final da aventura do Gigante Esmeralda surge Tony Stark conversando com o General Ross sobre um projeto secreto que nos remete ao filme dos Vingadores (The Avengers), programado para chegar às telonas apenas em julho de 2011. Mas esta será a última produção desta nova safra de filmes com personagens vinculados ao supergrupo de heróis.

Antes de Os Vingadores, estão previstos o segundo filme do Homem de Ferro (Iron Man 2), que chega no dia 30 de abril de 2010 e o Poderoso Thor, dirigido por Matthew Vaughn (de Stardust – O Mistério da Estrela) que estréia em julho. No ano seguinte, será a vez de Capitão América: o Primeiro Vingador (The First Avenger: Captain America), produção que está programada para ser lançada no dia 6 de maio de 2011. Por sinal, quem está querendo interpretar o herói mais bandeira do pedaço é o ator que encarna o Duas-Caras em Batman, O Cavaleiro das Trevas, Aaron Eckhart. Seria uma ótima escolha.Homem de Ferro volta a voar - CLIQUE PARA FAZER O DOWNLOAD DESTA FOTO EM ALTA RESOLUÇÃO

Portanto, segure a ansiedade e aguarde, pois outros personagens da Marvel que não têm ligação com Os Vingadores, estão chegando: para este ano, O Justiceiro (The Punisher) que estréia em dezembro. Isso sem falar no filme do Wolverine, que tem previsão de lançamento em 1º de maio de 2009, além dos novos filmes do X-MenHomem-Aranha que deverão chegar em 2010 e 2011, respectivamente. E vamos torcer por um novo filme do Hulk mais adequado ao personagem.

CLIQUE AQUI para baixar papéis de parede com personagens da Marvel.

A batalha do século passado

Capa de Super-Homem contra o Homem-Aranha - CLIQUE PARA AMPLIARTodo final de ano a Editora Brasil-América (Ebal) costumava colocar nas bancas seus almanaques anuais com os principais personagens da editora, como Zorro (The Lone Ranger), Tarzan, Batman, Super-Homem, Homem Aranha. Mas no final de 1976, início de 77, as bancas reservaram uma grande surpresa para os leitores de quadrinhos; algo impensável até então: o Almanaque dos Heróis trazia o encontro entre os dois principais personagens das duas maiores editoras de quadrinhos (comics) dos Estados Unidos, a Marvel e a National Periodical, que também era chamada de DC.

Foi uma revolução. Algo que os fãs talvez sonhassem, mas que era improvável acontecer. Como juntar as duas editoras arqui-rivais em um projeto? Impossível! Bom… era impossível até que o grande desenhista Carmine Infantino assumiu a direção da DC Comics. A partir dai, “a realização editorial do ano” – como este lançamento foi definido no texto de apresentação da revista – começou a sair do papel.
Página 56 - Homem-Aranha acerta o Super-Homem - CLIQUE PARA AMPLIARStan Lee e Carmine Infantino - Clique para ampliar
O editorial, publicado na segunda capa, explicava: “Esta é uma das mais espetaculares produções dos quadrinhos de todos os tempos. E tudo levava a crer que não pudesse ser feita. (…) O único e grande obstáculo residia na natural rivalidade das editoras – Marvel e National – que produzem as aventuras dos O Super dá um soquinho no cabeça de teia - CLIQUE AQUI PARA AMPLIARdois mais populares super-heróis. Mas seus chefões, Carmine Infantino, tutor do Homem de Aço, e Stan Lee, pai do Homem Aranha, amigos de longa data, facilitaram tudo.” Os dois “deram uma verdadeira lição de co-existência”. Mais adiante o texto cita uma frase de Stan Lee que resume o trabalho: “Nada é difícil demais quando a gente quer mesmo realizar”.

A publicação foi um trabalho em conjunto, uma soma de esforços dos profissionais das duas editoras. O desenho foi feito por Ross Andru, na época desenhista do Homem-Aranha e a arte-final foi de Dick Giordano, que finalizava as aventuras do Batman. Aliás, em se tratando de desenho, sempre achei a fase do Andru uma das piores do cabeça de teia. A história foi escrita por Gerry Conway. Carmine Infantino fez a criação da capa, preparando o rafe para que Ross Andru e Giordano finalizassem o trabalho.Super-Homem e Homem-Aranha - CLIQUE PARA AMPLIAR

Essa publicação realmente representou “uma nova abertura editorial”. A partir do sucesso dessa experiência, os “crossovers” passaram a ser cada vez mais freqüentes e personagens de outras editoras também passaram a viver experiências semelhantes. Tudo isso porque dois executivos deram o primeiro passo para uma nova era de aventuras.

No Brasil a revista foi publicada numa edição colorida no formato 26,7 x 34,7 cm, com capa plastificada e 100 páginas. Em janeiro de 1999, a revista americana Wizard publicou um desenho de Alex Ross, que recria com todos os detalhes, esta capa clássica (veja aqui o papel de parede que fiz A capa original - CLIQUE PARA AMPLIAR com esse desenho). Segundo o artista, A Batalha do Século – Super-Homem Contra o Homem-Aranha foi “uma experiência da cultura pop inspiradora para minha juventude”. É… foi uma idéia e tanto.

Para fazer o download de mais wallpapers com a arte de Alex Ross, clique aqui. Todas as imagens que ilustram este texto podem ser baixadas numa boa resolução.

O Justiceiro é Vingador?

O Homem Aranha 63 - Ebal - Clique para ampliarHá quase 34 anos, mais precisamente em junho de 1974, a Editora Brasil-América (Ebal) lançava o número 63 da revista O Homem Aranha (capa ao lado). A publicação tinha 68 páginas e trazia uma aventura do cabeça de teia e duas do Quarteto Fantástico (junto com os incríveis Inumanos). Mas, a história do Homem Aranha – O Vingador Ataca Novamente! –, trazia uma grande novidade: apenas quatro meses depois de ter sido publicada nos Estados Unidos, ela apresentava aos leitores brasileiros O Justiceiro (The Punisher), personagem que viria a se tornar um dos principais ícones do universo Marvel.

Mas, o mais interessante nesta revista é descobrir que The Punisher nem sempre foi chamado de “O Justiceiro” no Brasil. Na Ebal ele foi batizado como “O Vingador”. Você pode ver na capa (clique nela para ampliá-la) que a chamada da história é “Ele é diferente! Ele é mortal! Ele é… O VINGADOR!“. Veja no detalhe abaixo uma parte do confronto entre o amigo da vizinhança e o truculento vigilante (clique para ampliar a imagem) que se apresenta como O Vingador.
Detalhe da página 18 da revista O Homem Aranha 63 - CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR

Na aventura, escrita por Gerry Conway e desenhada por Ross Andru, artistas que criaram o anti-herói juntamente com John Romita (o pai), o Homem Aranha tem que enfrentar esse novo personagem, que está sendo enganado por uma figurinha esquisita chamada Chacal. Mas, depois de uma luta razoável, o Aranha não tem dificuldade para nocautear o tal do Vingador (uma mancha na carreira do caveirão). Assim, o aracnídeo tem a oportunidade de mostrar ao vigilante – com certa dificuldade, é claro – o óbvio ululante: ele estava sendo ludibriado pelo vilão orelhudo. É que, na história, o Justiceiro parece ser meio cabeça-de-bagre. Mas, tudo bem. O que se poderia esperar de um cara que tenta resolver tudo na base da violência?

Hoje, o Justiceiro é um psicopata que considera assassinato, seqüestro, extorção, coerção, The Amazing Spider-Man 129tortura e extrema violência, atos aceitáveis na luta contra o crime. Isto é… ele é a versão americana do Capitão Nascimento (de Tropa de Elite).

Um novo filme do Justiceiro está sendo produzido, e promete ser mais “adequado” aos novos tempos, o que significa dizer que vem aí muita violência (clique aqui para ver trailer e fotos do novo filme). Se você quiser fazer o download do trailer do filme anterior do Justiceiro, com John Travolta, clique na opção preferida: QuickTime ou Windows Media. O filme e o ator que interpreta o personagem título são ruins demais. Mas o trailer é legal.

Leia o verbete do personagem na Wikipédia em português. Visite também este site que tem uma galeria de capas da revista The Amazing Spider-Man, incluindo a 129 (mostrada à esquerda), que apresenta The Punisher.

Faça download de papéis de parede do Justiceiro, clicando aqui.

Surge o Libélula, o super-herói

Esqueça o Homem-Aranha, Hulk, Batman, Homem de Ferro, Quarteto Fantástico, Surfista Prateado. Quem está chegando com tudo é O LIBÉLULA, mais conhecido nos Estados Unidos como Dragonfly. É isso aí. Dragonfly é o personagem atrapalhado do filme Superhero Movie, nova produção do pessoal por trás da série Todo Mundo em Pânico. Veja o trailer e confira as trapalhadas do novo herói. Qualquer semelhança com o cabeça de teia não é mera coincidência.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis. from www.movieweb.com posted with vodpod

Leão Negro tira Homem-Aranha do pedaço

 

Li recentemente uma entrevista que o talentoso desenhista Ofeliano deu a José Carlos Neves, publicada no site que o entrevistador mantém, o Alan Moore – Senhor do Caos. Não sei quando aconteceu esse papo, mas Ofeliano nos faz viajar por uma boa parte da história das HQs nacionais, com suas boas lembranças. Para quem curte quadrinho nacional, é uma leitura muito agradável. Aliás, deixe eu abrir um parenteses aqui: a área de entrevistas (o site mudou de endereço e todas as entrevistas ainda não estão publicadas) desse site tem um conteúdo muito bom, com quadrinistas excelentes dando o seu recado.

Leão NegroUma das lembranças mais interessantes que Ofeliano conta na entrevista, foi a curiosa história do lançamento do Leão Negro, personagem selvagem e traiçoeiro criado por ele e Cynthia Carvalho, cuja estréia aconteceu de forma inusitada no Globinho, suplemento dominical de quadrinhos do jornal O Globo, em 1987. O anti-herói substituiu nada mais, nada menos, do que o amigo da vizinhança, o Homem-Aranha. Abaixo selecionei um trecho que da entrevista.
Assim falou
Ofeliano:

“Ennio Torresan me avisou do Concurso de Tiras de O Globo. Fui pro McDonald’s por duas tardes e escrevi, entre sucos e sanduíches, as vinte tiras de Sarnento, o Cruzado do Rei, sátira ao Plano Cruzado, de José Sarney.  Tirei o 5º Lugar. Eu e Cynthia estávamos numa pousada, cavalgando e curtindo quando pedi emprestado o jornal de um hóspede e lá estavam os premiados. Foi a glória para nossa vida em comum, recém-iniciada!

Só que eu não sabia como continuar a tirinha – não sou um cartunista nato – e daí surgiu a grande chance: colocar no lugar o Leão Negro! Preparamos dez tiras inéditas; foi aí que nasceu a concepção definitiva da tira. O editor de tiras de O Globo, Gilson Koatz, adorou e teve a coragem de, em 1987, retirar o Homem-Aranha e tascar o Othan. A grande ousadia era bancar uma tira brasileira de aventura seriada. Gilson é um entusiasta da HQ e pensava mesmo em montar a própria editora. Alguns leitores reclamaram, mas ele não se abalou. Logo, estes mesmos leitores escreveram dizendo estar gostando do Leão Negro. Choveram cartas de todo o Brasil, estavam gostando, foi uma adrenalina.O Globinho Supercolorido

É um embate magnífico esse dos autores com o público – o público é muito lúdico, é selvagem, não precisa provar nada pra ninguém. Vai te destroçar ou te adotar incondicionalmente. É uma força da natureza e, por isso, professa uma verdade difícil de se contestar. É um juiz implacável. E o Leão Negro estourou de sucesso porque nós, autores, também o realizamos de modo lúdico e implacável. Conectamos com o público, mas foi instintivo, e isso só aconteceu também por causa dos roteiros da Cynthia, que escreve para se divertir, principalmente. Eu me submeti aos seus instintos, afinal não nasci ontem.

As aventuras do Othan não querem revolucionar a linguagem nem se destacar, estão aí só pela curtição; é seu grande segredo. Outra coisa importante que eu e Cynthia aprendemos logo no início dessa produção foi deixar o roteiro com o roteirista e o desenho com o desenhista, sem interferências. Inclusive Cynthia entrega tudo rafeado, o que já situa tudo devidamente.”

Bom, não é?
Noutra parte da entrevista, José Carlos pergunta sobre o paradeiro de alguns desenhistas, entre eles o do meu grande amigo Antonino Homobono, ao que Ofeliano responde demonstrando respeito e admiração: “
Só posso contar do Antonino Homobono, inesquecível artista e personalidade marcante, falecido há poucos anos por grande desencanto existencial“, e continua a falar do grande artista, dando a entender que ele cometeu suicídio. Porém, quero aproveitar este espaço para esclarecer que o mestre Antonino não se suicidou. Ele realmente passava por um momento de grande turbulência em sua vida, mas o que aconteceu de fato é que ele morreu de uma grave doença que fez crescer o seu coração. Ele precisava de um transplante e, para não preocupar os amigos, não contou nada a ninguém. Sofreu sozinho, mas nunca transpareceu. Era um gigante em sua arte e em sua amizade. Doença estranha essa: para quê um coração maior, justo para o Antonino?! Ele já tinha um grande coração! Isso sempre me lembra desse trecho do poema de Mayakovsky:

“Desabotoado, o coração quase de fora, abria-me ao Sol e aos jatos d’água.
Entrai com vossas paixões! Galgai-me com vossos amores!
Doravante não sou mais dono de meu coração!
Nos demais – eu sei, qualquer um o sabe!
O coração tem domicílio no peito.
Comigo a anatomia ficou louca.
Sou todo coração – em todas as partes palpita.
Oh! Quantas são as primaveras em vinte anos acesas nesta fornalha!
Uma tal carga acumulada torna-se simplesmente insuportável.
Insuportável não para o versos de veras.”

Uma pessoa marcante como Antonino tinha que deixar lembraças emocionadas!
_________________
PS: A imagem do Globinho que ilustra este texto não é da fase do Leão Negro, como se pode ver pela data (1980) mas serve para dar uma idéia de como era a publicação, praticamente com o mesmo visual, sete anos depois.

Mais fotos de O Homem-Aranha 3


Como o pessoal que visita este blog está curtindo as fotos do novo filme do Homem-Aranha que publiquei aqui, aqui e aqui (ou seja, nos três últimos textos publicados…), aproveito para deixar mais três cenas do filme. Note que algumas delas podem ser usadas no desktop de seu computador. Você pode clicar em cada uma das fotos para ampliá-las, exceto a pose do Aranha com o uniforme negro ao lado, que pode ser ampliada clicando-se aqui.

O Homem-AreiaNa cena de cima vemos o amigo da vizinhança não tão amigo assim, enquanto que na imagem da esquerda vemos o Homem-Areia se preparando para enfrentar o cabeça de teia nos subterrâneos de Nova York.

Embaixo vemos o Homem-Aranha com seu uniforme tradicional durante a vertiginosa batalha final contra Venon e um Homem-Areia gigantesco. Agora… um detalhe: já repararam como o uniforme do Aranha rasga à-toa? Nem o paletó de Peter Parker rasga com tanta facilidade…

Se você gosta de enfeitar o desktop de seu computador com papéis de parede, visite o site oficial do filme ou então clique aqui para baixar alguns que fiz com fotos de divulgação para imprensa ou imagens de histórias em quadrinhos clássicas.

Fotos do filme O Homem-Aranha 3

James Franco
O filme estréia mundialmente na próxima sexta. Mas os fãs contam os segundos para a estréia da mega-produção da Sony Pictures. Para aplacar um pouco a ansiedade da turma, publico aqui algumas fotos do Homem-Aranha 3 com comentários. A de cima é o James Franco, que faz o papel de Harry Osborn, detonando em seu skate voador. A do Venonlado é o Venon, numa das pouquisimas imagens que a Sony divulgou para a imprensa. Quem assistir ao filme vai vibrar com a aparição desse venenoso malfeitor!!! (Aí!) Venon é interpretado pelo ator Topher Grace, que está bem diferente daquele rapaz bobo e franzino – o tal do Eric Forman de That’s 70 Show.

Embaixo vemos o cabeça-de-teia com um baita problemão: Areia a dar com o pau.

Se você quiser ver as fotos num tamanho maior, basca clicar em cima de cada uma delas.

Se você gosta de wallpapers, veja o que tem aqui sobre o Homem-Aranha nos quadrinhos e no Cinema. Ou então visite o site oficial do filme clicando aqui.

Para ler mais sobre o Homem-Aranha (e ver mais fotos), clique aqui.

Homem-Aranha x Homem-Areia

Alex Ross, o pintor de heróis

SpidermanAlex Ross é realmente um dos grandes artistas da arte seqüêncial da atualidade. Sua visão humana e, ao mesmo tempo, grandiosa dos super-heróis é inconfundível. Assim como sua tradição de retratá-los como figuras clássicas, de um passado inesquecível. Em seu site oficial, que deve ser uma visita obrigatória para quem gosta de arte, o internauta pode conhecer mais sobre o artista, baixar espetaculares papéis de parede com personagens da DC e da Marvel, visitar sua variada galeria e ver, por exemplo, que sua sugestão para a caracterização do Duende Verde, no filme O Homem Aranha, de Sam Raimi (veja figura abaixo), era muitíssimo melhor do que aquela coisa que foi escolhida e que mais parecia um vilão saído do seriado Power Rangers. Se você tiver algum trocado, pode também comprar uma das belíssimas pinturas ou desenhos originais de Alex Ross, com preços variados que podem chegar a 15 mil dólares. Mas há rafes pela bagatela de 300 dólares.
Para saber mais sobre este pintor, visite o site da Wikipédia em português ou, o mais completo, em inglês.
Duende Verde, por Alex Ross
Fiz alguns papéis de parede com a arte de Alex Ross. Para fazer o download desses wallpapers, clique aqui.