7 motivos incríveis para você apoiar o projeto O Judoka, por FHAF no Catarse

A obra genial de Floriano Hermeto será relançada num livro de luxo repleto de extras

No próximo ano será comemorado meio século de criação de um dos mais bem-sucedidos personagens dos quadrinhos brasileiros: O Judoka. Lançado pela saudosa Editora Brasil-América, carinhosamente chamada de Ebal, ele estreou em outubro de 1969, no número 7 da revista de mesmo nome, que era ocupada por Judô-Master, um personagem obscuro da editora americana Charlton Comics.

O Judoka #14O Judoka, que foi lançado com o slogan “um herói brasileiro”, conseguiu alguns feitos muito relevantes para um personagem nacional, entre eles, o de ser publicado mensalmente e sem interrupções, até julho de 1973, chegando perto de completar quatro anos de aventuras desenhadas por diversos quadrinistas.

Mas, O Judoka não fez sucesso apenas entre seus leitores. Graças a um desenhista e roteirista em especial, o personagem começou a fazer sucesso também entre a crítica especializada. Foi quando Floriano Hermeto de Almeida Filho, que assinava como FHAF, publicou sua primeira aventura com o herói brasileiro.

A partir da edição de número 14, O Judoka alcançou um patamar jamais imaginado pela Ebal e chamou a atenção de estudiosos renomados dos quadrinhos como Álvaro de Moya e Moacy Cirne. O primeiro levou os desenhos de Floriano para uma exposição internacional de quadrinhos no badalado Congresso de Lucca, na Itália.

Já Cirne elegeu a primeira história escrita e desenhada por FHAF – A Caçada – como a Melhor História do Ano em seu artigo na prestigiada Revista de Cultura Vozes, deixando para trás nomes como Mauricio de Sousa e Esteban Maroto.

O fato é que Floriano Hermeto deu maior consistência aos roteiros do Judoka e fez uma brilhante releitura da estrutura visual de suas histórias. Com o seu traço arrojado e inovador que lembra o estilo moderno de desenhistas internacionais como Jim Steranko, Guido Crepax e Enric Sió, Floriano imprimiu ao personagem agilidade cinematográfica e enquadramentos inusitados dignos dos grandes mestres do desenho.

Porém, a arte de Floriano estava perdida desde os anos 70, pois as revistas do Judoka são muito raras e ele nunca mais desenhou outras histórias em quadrinhos além das cinco que fez para a Ebal. A boa notícia é que sua obra completa está sendo reeditada no livro O Judoka, por FHAF, que está em campanha no site de financiamento público Catarse. E você pode apoiar esse projeto e garantir seu exemplar clicando neste link:
https://www.catarse.me/judokaporfhaf

Visite também a página de O Judoka, por FHAF no Facebook.

Mas, por que é tão importante resgatar a obra de Floriano Hermeto no Judoka? São, pelo menos, sete motivos para você apoiar o lançamento desse livro no Catarse:

1 – É o melhor desenhista e roteirista do Judoka! Sem desmerecer o trabalho dos outros ótimos desenhistas que passaram pelo personagem, FHAF realizou um trabalho inigualável na época;

2 – FHAF insere o personagem em tramas internacionais, com vilões que poderiam estar em filmes de 007, e dá ao personagem uma arqui-inimiga à altura: Irma la Douce;

3 – “A Caçada“, primeira aventura de O Judoka, por FHAF, ganhou relevância como a melhor história publicada em 1970, e os enquadramentos criados pelo desenhista nessa aventura são citados até hoje em livros acadêmicos sobre quadrinhos;

4 – Resgatar a obra de FHAF é manter a memória do quadrinho brasileiro. Não podemos deixar para trás a arte de nossos grandes mestres do desenho;

5 – O livro O Judoka, por FHAF terá 180 páginas e trará extras históricos, incluindo 15 páginas inéditas desenhadas por FHAF com três histórias inacabadas: uma do Judoka, outra do Zorro (The Lone Ranger) e mais outra com uma aventura no cangaço;

6 – Todas os desenhos que Floriano fez para O Judoka estão perdidos! Para este livro, sua arte está sendo recuperada através de um delicado trabalho de restauração, que ele mesmo está supervisonando, a partir das 145 páginas impressas com sua obra magistral;

7 – É uma tiragem pequena de apenas 500 exemplares, com acabamento luxuoso. Poucas pessoas terão o privilégio de ter essa obra em sua estante! Você pode ser uma delas!

Além desses motivos, quem fizer já sua reserva dessa obra fundamental no Catarse, poderá escolher entre diversas recompensas disponíveis. Portanto, vá agora mesmo à página do projeto O JUDOKA, POR FHAF e dê o seu apoio para esse resgate histórico! Divulgue o site, fale com seus amigos e curta a página do projeto no Facebook!

 

Anúncios

Fantomas, da Editorial Novaro

Foi uma grande surpresa quando entrei numa comic-shop em Miami, a A & M Comics & Books e encontrei dezenas de revistas do Fantomas, personagem que fez muito sucesso nas décadas de 1960 e 70 no México. Isso aconteceu em 2010. Cheguei nessa loja por acaso e acabei descobrindo que ela é, segundo o dono, a segunda comic-shop mais antiga dos Estados Unidos. É muito pequena, escura e repleta de revistas, livros, estátuas, brinquedos, jogos e muita coisa que todo fã de quadrinhos adora encontrar. São coisas penduradas por todos os lados, empilhadas, uma bagunça organizada que deixa para os clientes dois estreitos corredores nos quais os clientes se apertam para garimpar preciosidades. Me senti no meio de um armazém de secos & molhados, mas só com coisas ligadas a quadrinhos, rpg, cinema, animação, tv.

E foi olhando rapidamente esse monte de novidades que encontrei uma caixa com várias revistas da década de 1970 da Editorial Novaro, uma antiga e respeitada editora mexicana especializada em publicar revistas em quadrinhos – a maioria delas traduzidas dos Estados Unidos – e livros infantis. Esse editora teve a mesma importância que a nossa Ebal teve para os leitores do Brasil. Aproveitei para comprar várias revistas, entre elas, estas duas edições de Fantomas: o número 132, de 5 de setembro de 1973, com a história O Grande Festival de Rock em Luxemburgo (capa reproduzida acima), e o número 152, de 22 de janeiro de 1974, que coloca Fantomas numa aventura com sereias em O Aquário Fantástico (ao lado). Curiosamente, esse personagem também foi publicado no Brasil pela Ebal numa revista mensal.

Você estranhou que essas revistas do Fantomas têm dia de lançamento, e não só o mês? E que, se você calculou, em pouco mais de quatro meses foram lançadas 20 edições? Pois é, o personagem, cujas aventuras eram totalmente produzidas no México, era tão popular que sua revista saia semanalmente. Num próximo texto explico melhor essa história.

Como curiosidade, veja que na página abaixo, que mostra o início da aventura do O Grande Festival de Rock em Luxemburgo (que é inédita no Brasil), Fantomas cita o revolucionário artista Andy Warholl logo no primeiro balão, fazendo uma referência aos filmes undergrounds dirigidos e produzidos pelo papa do pop.

A aventura O Aquário Fantástico apresentada na edição de 1974 também é inédita no Brasil e foi desenhada pelo extraordinário desenhista peruano Gonzalo Mayo, que deu ao personagem o seu estilo onírico. Veja abaixo, três páginas (uma dupla e uma simples) de sua autoria para essa misteriosa aventura de Fantomas. Incompreensivelmente, Mayo teve poucos trabalhos lançados no Brasil, mas leitores antigos da conceituada revista Kripta já conhecem a beleza de seus traços. É que essa revista de terror, editada entre 1976 e 1981 pela RGE (atual Editora Globo), publicou algumas histórias de terror desenhadas pelo artista.


Clique nas imagens para ampliá-las em alta resolução!

Cheyenne e a terceira série dos Reis do Faroeste

Cheyenne - Clique para ampliar
A revista aí de baixo relançava o tradiconal título Reis do Faroeste, da Editora Brasil-América (Ebal) em sua 3ª série, trazendo duas aventuras de Cheyenne, personagem interpretado na TV por Clint Walker. Eram elas A Oeste do Rio e Na Alça da Mira. A publicação chegava às bancas em janeiro de 1970 e trazia a seguinte Conversa do Diretor, publicada na página 2 da revista, que conta um pouco da trajetória de Reis do Faroeste:

“O primeiro número de Reis do Faroeste surgiu em julho de 1953. Há quase 17 anos. Publicando uma espetacular capa de Buck Jones, um dos reis do faroeste, lavrávamos um Reis do faroeste - Cheyenne 1tento espetacular entre a garotada de todo o Brasil. Foi um sucesso sem precedentes!

Pelo que lembramos, a tiragem, então, foi de quase cem mil exemplares, e a história se intitulava A Estrada do Diabo. Emocionante o enredo! Buck Jones conquistou os seus admiradores, que nos escreveram logo, pedindo mais e mais.

Mas a verdade é que Buck Jones não era o único dos reis do faroeste. Havia outros: Johnny Mack Brown, Bill Elliot, Rex Allen – todos mocinhos do cinema. E foi assim que todos estes apareceram, cada um com sua própria aventura, nos números seguintes de Reis do Faroeste. Somente no 5º número foi que Buck Jones voltou. Desta vez, em A Caravana Perdida. E mais nos números 9, 13, 17, 22, 27, 31, 35, 39, 43, 47, 52, 56 e 74, todos da primeira série.

Além dos heróis que acima citamos, também apareceram, em Reis do Faroeste, aventuras de Wyatt Earp, Matt Dillon e Kit Carson.

Agora, passados quase dezessete anos, voltamos a publicar Reis do Faroeste, depois de um curto espaço de parada em sua circulação. E, desta vez, voltamos com um herói do aí-mocismo que há de fazer delirar a moçada: Cheyenne!

Cheyenne é jovem! Cheyenne é forte! Cheyenne é justo! Cheyenne é simpático! Cheyenne desafia os maus, protege os fracos, expõe-se aos maiores perigos! Vocês hão de gostar de Cheyenne, tornar-se-ão seus amigos!

O aparecimento de Cheyenne no princípio do ano de 1970 é para comemorar o Jubileu de Prata da Editora Brasil-América. Foi justamente em maio de 1945 que iniciamos as nossas atividades. Terminava a Segunda Grande Guerra. Renasciam as esperanças do mundo por uma paz duradoura.

Há vinte e cinco anos, trabalhamos nesta casa, ininterruptamente. Foram centenas de milhões de revistas que daqui saíram. Milhões de álbuns e livros. Uma existência para bem servir aos jovens e às crianças.”

Para baixar um papel de parede de Cheyenne, clique aqui. O desenho que ilustra este texto faz parte da abertura da história Caçada Humana, publicada no número 7 da revista.
Quer assistir um trecho rápido da série de TV? Clique aqui.

Mario Lima, desenhista de O Judoka

O Judoka, número 8O Judoka, número 10 
O texto abaixo foi extraído das Notícias em Quadrinhos da revista Cheyenne (Reis do Faroeste) nº17, de maio de 1971, e refere-se ao desenhista Mario Lima. Originalmente foram publicadas duas fotos para ilustrá-lo, mas uma delas estava com pouca qualidade para ser reproduzida – justamente a do painel com trabalhos do artista. Para compensar, publico acima duas das melhores capas que o desenhista fez para a revista O Judoka, personagem brasileiro desenvolvido por Pedro Anísio e Eduardo Baron para a Editora Brasil-América (Ebal). Clique nas imagens para ampliá-las.

Aramis e Aizen
Quando da realização da Exposição Internacional de Histórias-em-Quadrinhos, realizada em São Paulo, houve, concomitantemente, uma Exposição de Histórias-em-Quadrinhos de Desenhistas Brasileiros, no saguão principal do jornal A Gazeta. Dezenas de jovens paulistas ali expuseram os seus trabalhos, e, entre eles, destacava-se o painel de Mario Lima, nosso desenhista desde mocinho, aqui fazendo histórias-em-quadrinhos dos santos da igreja (para a Série Sagrada), sob as vistas exigentes do bondoso Anibal Moreira. Hoje, Mario Lima está radicado em São Paulo, e é ali que desenha, para a Ebal, as histórias-em-quadrinhos de O Judoka, o herói brasileiro de judô e karatê.

Embora atrasadamente, aqui publicamos – para que fique gravado nos anais das histórias-em-quadrinhos – duas fotos históricas: uma, com o painel de Mario Lima; outra, com a visita que ali fez, para prestigiar os artistas brasileiros, o Diretor da Editora Brasil-América, Sr. Adolfo Aizen, acompanhado do jornalista Aramis Millarch, do Estado do Paraná, de Curitiba, admirador incondicional do nosso trabalho e profundo conhecedor da arte de Alex Raymond.
________________
Se você quiser baixar mais papéis de parede do personagem O Judoka, da Ebal, incluindo imagens com a capa da primeira revista e desenhos de Eduardo Baron e Mário Lima, clique aqui.

Jayme Cortez no Congresso de Quadrinhos

Jayme Cortez no I Congresso Internacional de Histórias em QuadrinhosLogo do CongressoNa revista O Judoka, nº23, de Fevereiro de 1971, publicada pela Ebal, ainda se liam os ecos do I Congresso Internacional de Histórias em Quadrinhos. Nessa edição foi publicada na seção Notícias em Quadrinhos a foto ao lado (clique nela para ampliá-la) com o seguinte texto:
“É o Jayme Cortez, com certeza. É com certeza o Jayme Cortez. Dono de um desenho espontâneo, livre, estilizado, acadêmico no bom sentido, dominando várias técnicas. A ele, devem-se algumas das melhores histórias-em-quadrinhos nacionais. Dele, são as capas e as ilustrações dos romances de José Mauro de Vasconcelos. Aí vemos o Cortez, sentado abaixo de telas pintadas pelo Leonardo, reproduzindo quadrinhos importantes.”

Esse texto é uma pequena pérola, uma homenagem a um grande desenhista… Jayme Cortez era português e além de ser um dos maiores ilustradores do Brasil, ele trabalhou como ator! É isso mesmo! Convidado por José Mojica Marins, o desenhista dos cartazes de seus filmes atuou em duas produções do Zé do Caixão.

Para ler mais sobre Jayme Cortez visite os links abaixo, mas comece pelo Nostalgia do Terror, onde há uma reprodução da primeira página de Zodiako e uma pequena biografia no link Quem é Quem, que surge num popup depois de clicar sobre a foto do mestre (que, aliás, está ao lado de outros grandes mestres do terror):
Wikipédia  –  Lambiek  –  Quadrinhos’51Jornal da ABI

Assim no Iraque como no Vietnam

Crise existencial do Capitão América - CLIQUE PARA AMPLIAR ESTA IMAGEM
Reli o capítulo de autoria de Jô Soares no livro Shazam!, de Álvaro de Moya (série Debates; Editora Perspectiva), onde ele escreve sobre o ressurgimento do Capitão América e suas conseqüências. Lá pelas tantas, ao comentar sobre o retorno do “moderno deus da guerra” após o ostracismo que o personagem viveu quando terminou a Segunda Guerra Mundial ao “passar por um longo período de hibernação”, o autor pergunta (mas não responde): “Terá a sua reaparição alguma coisa a ver com a participação dos EUA no Vietnã?”. Não satisfeito, Jô continua a questionar: “Que rumo tomaria a crise no sudoeste asiático com a participação ativa do Capitão América?”. No final de sua análise, Jô levanta apenas duas saídas: “ou o Capitão América, evocando suas glórias passadas, desperta novamente o antigo chauvinismo (…) ou terá que travar uma luta solitária e suicida nos pantanais do Vietnã”.

Na imagem acima (clique nela para ampliá-la) vemos um Capitão em dúvida existencial e ideológica em pleno final da década de 60, e esse fato foi um marco para os quadrinhos (a revista foi lançada em dezembro de 1969 nos EUA). A história – de Stan Lee, magistralmente ilustrada por Gene Colan e Joe Sinnott – se chama O Ferrão do Escorpião e foi publicada, no Brasil, na revista A Maior nº5, da Editora Brasil-América, em outubro de 1970. O herói-bandeira se perguntava se os rebeldes estavam errados e lamentava: “não fui ensinado a aceitar as regras de hoje em dia!”, para depois colocar em dúvida tudo pelo qual lutou: “talvez fôsse melhor eu ter lutado menos e perguntado mais”.

Hoje, 35 anos depois do lançamento do livro de Álvaro de Moya, parece que o Capitão despertou de vez o antigo chauvinismo (será que algum dia esse fanatismo americano esteve adormecido?) e está mais decidido do que nunca a lutar contra os inimigos da (estátua da) liberdade. Deve ser por isso que os EUA tem um saldo tão positivo na Guerra do Iraque.

PS: A revista A Maior também trazia as aventuras do Homem de Ferro e Thor.

Para baixar papéis de parede do Capitão América, clique aqui.

Adolfo Aizen e Herbert Moses

O grande jornalista Herbert Moses, então presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), aparece na foto publicada na página “Álbum de Família” da Edição Comemorativa do Cinqüentenário de Publicação do Suplemento Infantil do jornal carioca A Nação, ao lado de Adolfo Aizen, num jantar oferecido ao futuro criador do Suplemento Juvenil.Herbert Moses presente ao jantar em homenagem a Adolfo Aizen
Clique aqui para ampliar a foto

Na legenda, lê-se o seguinte:
Jantar oferecido a Adolfo Aizen, pelos seus amigos, no Bar das Flores, em agosto de 1933. Razão: escolha do seu nome pelo Comitê de Imprensa do Touring Club do Brasil, para uma viagem aos Estados Unidos, representando os jornais e revistas do País. Sentados, da esquerda para a direita: Harold Daltro, Hildebrando de Lima, Povina Cavalcanti, Herbert Moses, Adolfo Aizen (o homenageado), Afonso Costa, Berilo Neves, Ribeiro Couto, Paulo Magalhães. De pé, na mesma ordem: Abellard Filho, Amorim Neto, R. Magalhães Júnior, Márcio Reis e Walter Bellucci.